Otoplastia

Cirurgia de correção da orelha de abano. Busca-se o posicionamento da orelha mais próximo ao crânio amenizando a sua exposição.

otoplastia

Otoplastia

A otoplastia é a cirurgia que melhora a forma, a posição e as proporções das orelhas, por meio de correção na sua estrutura, que fica aparente durante o desenvolvimento da pessoa, ou remodela a estrutura, em casos de deformações por lesões. O procedimento fica natural e dá equilíbrio à face.

A otoplastia pode ser realizada em orelhas muito grandes – macrotia, condição rara – ou orelhas salientes em um ou nos dois lados do rosto. Cada candidato a realizar o procedimento deve ter seu caso especificamente estudado para que se verifique se a cirurgia é realmente a melhor alternativa indicada e, em caso positivo, como ela deve ser feita.

Em Crianças

Pode-se cogitar a realização da cirurgia em crianças para se corrigir as orelhinhas salientes desde que elas sejam saudáveis, não tenham doença com risco de vida nem infecções crônicas de ouvido não tratadas. Uma idade na qual as crianças geralmente passam pela otoplastia é por volta dos cinco anos, quando a cartilagem já se desenvolveu, ou seja, está estável. As crianças devem seguir as recomendações médicas, aceitar fazer a cirurgia e entender o que será feito.

Adolescentes e adultos

Podem fazer a otoplastia pessoas saudáveis, sem doença com risco de vida ou condições que dificultem a cicatrização. É ideal que não sejam fumantes.

 

É importante que as pessoas sejam sinceras com seus médicos e informem honestamente suas condições de saúde e estilo de vida. Não se deve esquecer de falar ao especialista a existência de alergias e a utilização de medicamentos, inclusive os naturais e vitaminas, além de tabagismo e uso de álcool e drogas. A pessoa também deve avisar ao médico se já passou por cirurgia anterior. O sucesso do procedimento depende de uma série de fatores que o médico deve avaliar.

O especialista irá fotografar o rosto do paciente para documentar o processo e orientá-lo quanto aos riscos e complicações que podem surgir durante a cirurgia, os possíveis resultados e avaliar suas condições de saúde.

De acordo com solicitação do médico, o paciente deverá:

  • realizar exames de sangue e passar por avaliação;
  • tomar alguns medicamentos ou mudar o uso de medicamentos de utilização contínua;
  • parar de fumar bastante tempo antes da cirurgia;
  • evitar tomar alguns medicamentos que possam dificultar a cicatrização e aumentar o sangramento, como anti-inflamatórios, aspirina e os naturais.

É importante que o paciente tenha um acompanhante, pelo menos, na primeira noite após a cirurgia.

 

O paciente deve assinar o termo de consentimento, que atesta que ele entendeu o procedimento e os possíveis riscos.

Os riscos incluem: sangramento, assimetria, infecção, má-cicatrização, mudança na sensibilidade e irregularidades na pele, descoloração, inchaço, cicatrizes, alergia aos materiais usados (sutura, colas), dores, necessidade de novo procedimento cirúrgico e os derivados da anestesia.

 

O lugar deve ser confortável, com funcionamento autorizado pela Vigilância Sanitária, equipado e com equipe capaz de lidar com diferentes desdobramentos da cirurgia.

Etapas:

Anestesia

Sedação local e intravenosa ou anestesia geral, depende do que o médico julgar ser o melhor para o paciente.

Incisão

Para as corrigir as orelhas salientes, a técnica usada cria ou aumenta o anti-hélice (dobra no interior da borda da orelha) e reduz cartilagem da concha, que é a concavidade maior e mais profunda do ouvido externo. Geralmente, as incisões ocorrem atrás da orelha. Mas, quando é necessário que sejam feitas na frente, ocorrem nas dobras que escondem-nas. Na parte interna, são usadas suturas não removíveis para criar e fixar a cartilagem que acabou de ser moldada.

Fechamento

O médico dá pontos para fechar as incisões.

Depois da cirurgia, serão feitos curativos para manterem o lugar do procedimento limpo, livre de contaminações e manter a orelha na nova posição.

Resultado

As cicatrizes ficam escondidas no couro cabeludo. Com a diminuição do inchaço e dos hematomas, a aparência fica mais jovem. Pode ser que o inchaço completo demore alguns meses para passar até que a pele fique com aspecto natural. É importante que a pessoa se proteja do sol e mantenha um estilo de vida saudável para prolongar o resultado da cirurgia.

 

O médico orientará o paciente sobre quais medicamentos deverá tomar, como deverá fazer os curativos e como será o acompanhamento para avaliar o pós-operatório. Caso o paciente sinta qualquer desconforto, como falta de ar ou dor no peito, deve procurar o médico imediatamente, pois é possível que um tratamento complementar seja necessário. É possível que o paciente sinta coceira onde ficam as ataduras, mas elas não devem ser removidas, pois isto poderá alterar o resultado e até fazer surgir a necessidade de nova cirurgia.

O médico também informará o tempo de recuperação e como fazer os curativos, quando os pontos serão removidos, quando a pessoa poderá voltar a fazer suas atividades e exercícios físicos e como será o acompanhamento do pós-operatório e consultas.

 

Quando as orelhas são salientes, é possível perceber a diferença imediatamente após a retirada do curativo. Em outros casos de otoplastia, os resultados aparecem melhor no decorrer do tempo.

 

As custas da cirurgia variam de acordo com o tipo de procedimento e o profissional que o realiza. Além dos honorários do cirurgião, há os do anestesista, exames médicos e hospital.

SOLICITE UMA CONSULTA 9 7529-1375